domingo, agosto 27, 2006

Poesia Marginal


Para Alcyr Guimarães, Cantador do Grão Pará.

Ato de expiação!
Palavras errantes!
Em velocidade cruzeiro
Dar-se-á o poeta como revolta do adeus

- Ato contínuo
Eu seguirei seus passos!

(Resíduos de mim!)

Múltiplos
Orgasmos das orquídeas selvagens.
Sob o coito da palavra,
Vozes d’alma
Em oração
À rampa da garagem.

Deus! Deus!
Isto é álibi de um sonho crucificado,
Ou são lágrimas talhadas,
Que, pêcas, gozarão em mim
Onde (primeiro) se avistar o sol?

Deus!! Deus!
Isto é dança das cabeças,
Ou são palavras navalhadas,
Que, secas, enamorarão de mim
Onde (primeiro) se avistar
As parábolas do vôo do inseto?

- Filamentos de um poema
Em pedaços...

(Marcha lenta do atrás!)

Ai... O que se dizer
Do ovário das flores?

Foto: Fotografia na Net
Page copy protected against web site content infringement by Copyscape
Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

Um comentário:

Steban Viroski disse...

Benny: palavras marginais. Poesia de bela feitura. Cuspe poético às injustiças de quem é vencedor do AP de Literatura 2006. Parabéns!