sábado, janeiro 17, 2009

Especioso ébano


Para Oleg Duryagin.

Moendas de
especiosos respiros, egos revoltos
(mademoiselles
cinéfilas em óbito de gozo)
são percings de fendas peraltas
desbastados
pelo russo embriague
e seu ébano-retrato.

Já houve dias
em que o poema da vala
transpassava décimo pecado
de terceiros
semideuses, brochas.

Praticava
sexo com febre palustre,
mas agora, a rigor,
robotizado, desdém
do após-féretro
da efígie.

Oferenda
de sangue à beira do ataúde?
– O ângulo esnoba.
Tétano
de palavras gozadas no motel
da autovia prenhe?
– A Ursa Menor resvala.

Certos circunlóquios e demais artilharias,
lutariam contra isto:
pouso
de sempre-flamas
conflagradas
e ocultando
solúveis cadáveres
das segundas-feiras
(de somenos valia)
de um sempiterno soluço
qualquer.

No poema
duas lentes-demão escondem
o sacrifício do arqueiro:
farol de milha
que em frente ao portrait negro de Oleg
engalana o poema
pois patenteia
o vago de setas a partir.

Perdido em êxtase
um monge
medita em avalanche
e sob quatro angulares alude-me
que eu seja o rugido
que ainda resiste
em alguma Boulevard de Belém
que não se rende
ao logro dos vermes.

© Benny Franklin


Nota:
"Oleg Duryagin", amigo e astro da fotografia mundial, gentilmente me autorizou a usar as suas instigantes fotografias nas postagens dos meus poemas.

Page copy protected against web site content infringement by Copyscape

Creative Commons License
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.

2 comentários:

Nathália disse...

Olá, peço que, se possível, divulgue o site do poeta Ulisses Tavares (www.ulissestavares.com.br) em seu blog.
Mandando um email para nós você concorre a um livro por semana do escritor!
Desde já agradeço a gentileza.

Abraços!

Marcos disse...

Benny, teu blog está completamente desfigurado em meu browser.
Quanto ao poema, belíssima homenagem, à altura das imagens.